17 de junho de 2017

O mestre de cada momento - Lao Tzu


                                                                                              
      


 "O que procuramos além do que é visto
e chamamos de invisível,
Tentamos escutar além do que é audível
e chamamos de inaudível,
Queremos segurar além do alcance
e chamamos de inatingível.

Funda-se além da compreensão
em uma unidade
Que não se limita a surgir e dar a luz
e a sumir e deixar a escuridão,
Mas envia sempre uma sucessão de coisas vivas tão misteriosas
quanto a existência não-gerada para a qual elas retornam.

É por isso que os homens as chamaram de fenômenos vazios,
imagens sem sentido,
numa miragem que não encontra uma face,
ninguém para seguir.

No entanto, aquele que está antigamente consciente da existência
é o mestre de cada momento,
Não sente interrupção desde o tempo além do tempo
na maneira como a vida flui."

~Lao Tzu~

Sobre as desumanidades - Osho


"Pergunta: Porque as pessoas tratam uns aos outros como o fazem? Tudo isso é condicionamento, ou há algo no homem que o torna disposto a se desviar?

Osho - São ambas as coisas. 
Primeiro, há alguma coisa no homem que o desencaminha. E segundo, existem pessoas cujos interesses é desencaminhar os seres humanos. Ambos juntos criam um ser humano falso, um impostor. Seu coração anseia por amor, mas sua mente condicionada o impede de amar.

Esse é o problema. A criança nasce com um coração que anseia por amor, mas ela também nasce com um cérebro que pode ser condicionado.

A sociedade tem que condicioná-lo contra o coração, porque o coração será sempre rebelde contra a sociedade, ele irá sempre seguir seu próprio caminho.

O coração não pode ser tido como um soldado. Ele pode se tornar um poeta, ele pode se tornar um cantor, pode se tornar um dançarino, mas não pode se tornar um soldado.

Ele pode sofrer pela sua individualidade, ele pode morrer pela sua individualidade e liberdade, mas ele não pode ser escravizado. Esse é o estado do coração. Mas a mente... 

A criança vem com um cérebro vazio, apenas um mecanismo, o qual você pode arrumar da maneira que você quiser. Ele irá aprender a língua que você ensinar, ele aprenderá a religião que você ensinar, ele aprenderá a moralidade que você ensinar. Ele é simplesmente um computador, você apenas o alimenta com informações. E toda sociedade cuida de tornar a mente cada vez mais forte para que se houver algum conflito entre a mente e o coração, a mente irá vencer. Mas cada vitória da mente sobre o coração é uma miséria. É uma vitória sobre sua natureza, sobre seu ser – sobre você – pelos outros. E eles cultivaram sua mente para servir ao propósito deles.

Portanto, a mente é vazia, seu cérebro; você pode colocar qualquer coisa nela. E com vinte e cinco anos de educação você pode torná-la tão forte que você pode esquecer seu coração; você irá permanecer sempre miserável. A miséria é que seu coração só pode lhe dar alegria, só pode lhe dar felicidade, só pode lhe fazer dançar. A mente pode fazer aritmética, mas ela não pode cantar uma canção. Essas não são as habilidades da mente. Assim você está dividido entre sua natureza, que é seu coração, e a sociedade que é sua cabeça. E certamente você nasce – todos nascem – com estes dois centros. Esse é a dificuldade.

E um centro está vazio. Numa sociedade melhor ele será utilizado de acordo com o coração, para servir ao coração. Então será uma grande vida, cheia de regozijos. Mas até agora temos vivido numa sociedade feia, com idéias podres. Eles usaram a mente. E essa vulnerabilidade existe – a mente pode ser usada.

Agora os comunistas a estão usando de uma maneira; os fascistas a usaram na Alemanha de outra maneira; todas as outras religiões a estão usando de diferentes maneiras. Mas essa vulnerabilidade está em todos os indivíduos: que você tem uma mente a qual você trouxe vazia. De fato, isso é uma bênção da existência – mas, mal utilizada, explorada. Ela lhe é dada vazia para que você possa fazê-la perfeitamente subserviente ao seu coração, aos seus anseios, ao seu potencial. Não há nada de errado nisso. Mas os interesses investidos por todo o mundo encontraram nisso uma bela oportunidade para eles – para usar a mente contra o coração. Assim você permanece miserável e eles podem lhe explorar por todos os meios que quiserem.

Eis porque todo o mundo é miserável.

Todo mundo quer ser amado, todos querem amar; mas a mente é uma barreira tal que nem lhe permite amar, nem lhe permite ser amado. Em ambos os casos a mente fica no caminho e começa a distorcer tudo.

E mesmo se por acaso você encontrar uma pessoa que você sinta amor por ela e a pessoa sinta amor por você, suas mentes não irão concordar. Elas foram treinadas por sistemas diferentes, religiões diferentes, sociedades diferentes.

Ser feliz é um direito inato de todos, mas infelizmente a sociedade, as pessoas com as quais estamos vivendo, que nos trouxeram para este mundo, não pensaram nada a respeito disso. Elas estão somente reproduzindo seres humanos como animais – até mesmo pior que isso porque pelo menos os animais não são condicionados. Esse processo de condicionamento deve ser completamente mudado. A mente deve ser treinada para ser uma serva do coração.

A lógica deve servir ao amor. E assim a vida pode se tornar um festival de luzes."

Osho em O Cipreste no Jardim

10 de junho de 2017

Sobre a auto-aceitação - Osho


"Todas as culturas e todas as religiões o condicionam a sentir-se negativo a respeito de si mesmo. Nenhuma pessoa é amada ou apreciada por ser ela mesma.Você é solicitado a provar se tem algum valor: ganhe medalhas de ouro nas competições esportivas, obtenha sucesso, dinheiro, poder, prestígio, respeitabilidade.

Prove o seu valor! Seu valor não é intrínseco – foi isso que lhe ensinaram
Seu valor tem de ser provado. Daí resulta um grande antagonismo, um sentimento arraigado de que “não tenho valor do modo como sou – a não ser que se prove o contrário”.

Mas poucas pessoas podem triunfar nesse mundo competitivo.Milhões e milhões estão competindo – mas quantas podem obter sucesso?Quantas podem se tornar presidentes? Quantas podem se tornar grandes pintores?
A ideia do sucesso o tortura e esta é a maior calamidade que já aconteceu à humanidade: A idéia de sucesso, de que você tem de obter sucesso.
E sucesso significa que você tem de competir, de lutar – por meios lícitos ou condenáveis, não importa.Quando você obtém sucesso, tudo fica bem.
O ponto chave é o sucesso; mesmo se o alcançar por meios condenáveis, após obtê-lo, tudo que fez é aceitável.

O sucesso altera a qualidade de todos os seus atos. O sucesso transforma meios ruins em meios bons. Esse é o tipo errado de educação. Essa assim chamada educação que lhe foi imposta é totalmente perniciosa.

As escolas, as faculdades e universidades o estão envenenando.
Estão tornando-o infeliz. São locais onde infernos são produzidos, porém de modo tão formoso que você nunca se conscientiza do que está acontecendo. O mundo todo está se tornando um inferno por causa da educação errada.
Todos estão sofrendo e se sentindo inferiores. E essa situação é realmente estranha.

Ninguém é inferior e ninguém é superior, porque cada indivíduo é único – nenhuma comparação é possível. Você é simplesmente você e não precisa tornar-se famoso, não precisa ser um sucesso aos olhos do mundo. Todas essas idéias são tolas.


Você só precisa ser criativo, carinhoso, consciente, meditativo...

Se sentir a poesia surgindo em seu interior, escreva-a para si mesmo, para seu marido ou esposa, para seus filhos e esqueça-se de tudo o mais. Cante sua canção e, se ninguém ouvi-la, cante-a sozinho e a aprecie!
A pessoa ambiciosa é patológica.

Se você tem um sentimento negativo em relação a si mesmo é porque o ensinaram a sentir-se assim. E a pessoa negativa também não pode ser positiva a respeito dos outros, porque as falhas que identifica em si encontrará nos outros – na verdade ela ampliará nos outros.
Os pais estão dizendo a seus filhos: “Prove que você tem algum valor!” Ou seja, ser, simplesmente ser, não é suficiente – é necessário fazer algo.
Mas o fato de você apenas ser representa uma importante dádiva da existência. Só respirar nessa existência maravilhosa constitui prova suficiente de que a existência o ama, de que ela precisa de você, caso contrário você não estaria aqui. Você existe!

A existência o fez nascer. Deve ter havido uma imensa necessidade e você preencheu um vazio. Sem você a existência seria menor. E isso vale para as árvores, para os pássaros, para as flores, para todos os animais.
Você precisa aprender que tem valor do modo como é. E todas as pessoas têm o mesmo valor.

Aceite as pessoas como são; desista do “deveriam” e do “precisariam” – esses são conceitos inimigos.
Foram-lhe transmitidos tantos ideais de perfeição que você sempre julga não estar à altura.

Ser perfeccionista é ser neurótico. E a todos nós foi dito para sermos perfeitos. A vida é maravilhosa em todas as suas imperfeições. Nada é perfeito. Perfeição significa que não há possibilidade de crescimento, perfeição significa morte.
Imperfeição significa a possibilidade de crescer, significa excitação, o êxtase, a aventura.
Imperfeição significa que você está vivo e que a vida deve continuar. Então, viva cada dia em toda a sua beleza, em toda sua alegria, em toda sua dor...
Viva-o em sua totalidade – em sua obscuridade, em sua luz.
Viva o ódio e viva o amor. Viva a irritação e a compaixão. Viva o que existe nesse momento.

Então, esqueça tudo a respeito do futuro – o presente é o suficiente. 
E celebre a vida com todas as suas imperfeições."
Osho em Além da Psicologia

3 de junho de 2017

Você não é a mente - Sambodh Naseeb


"Os sábios ensinam: você não é sua mente. Verifique: se te sentes cansado, vê se é o corpo ou você que está cansado? Se te sentes triste, vê se é a sua mente ou você que está triste.

Os sábios nos ensinam claramente que o Ser real não pode sair da bem aventurança. A ideia de ser alguém separado do Todo é que sente-se cansada e triste. Uma ideia aparecendo e desaparecendo. Vai desaparecer como todas as ideias.

Tornemo-nos vigilantes para o fato de que a consciência que eu sou, por não ser uma ideia, não pode ser dividida, e portanto, não está no campo dual da separação entre "sujeito eu" versus "objeto mundo".

Eu e o mundo. Eu e as pessoas. Eu e as ideias. Eu e a minha vida. Há sempre esta separação. Eu e a vida, na verdade, é VIDA. "Eu" estou implícito nesta Vida. Não há eu separado da vida. Eu é um pensamento, que também é Vida, que também aparece na Vida.

A Vida cria a vida. Eu sou Vida. EU SOU. Este EU SOU é consciência.

A ideia ou sentimento do EU SOU separado da vida é conceitual e energético. O ego é uma contração energética também. Aparece e desaparece. O que somos não desaparece, pois nunca apareceu, em primeiro lugar. Como consciência pode existir ou aparecer? O que aparece, desaparece. Consciência é atemporal.

Tudo que parece existir é simplesmente uma modulação da própria consciência. Mas ela nunca desaparece, porque tudo é ela, tudo é consciência, todas mudanças são nela mesma. Uma ideia acrescida de uma contração energética - isto é que é o falso eu, o falso centro, o ego, a mente egóica.

Idéias e contrações. Idéias na mente e contrações no corpo. Mas onde tudo isto está acontecendo? Neste experienciar. Agora. E quem experiencia este momento? Veja: Ninguém. Como assim?

Ora, quem sou eu? Algo definível e fixo ou uma presença inteligente indefinível e invisível que observa o corpo/mente mudar? Você diz "eu estou triste" e depois diz "eu estou alegre". O que há de comum nessas duas proposições? EU.

Logo, o eu REAL não pode ser triste nem alegre. Ele não pode ser isto nem aquilo. Ele não pode ser nenhuma descrição da mente, porque toda a linguagem está no campo da dualidade certo/errado, feio/bonito, bom/mal, perfeito/imperfeito.

O eu deve estar ali quando a experiência do alegre ou do triste está acontecendo. A isto chamamos consciência. Logo, eu real é consciência. O pensamento não é o eu. Porque o pensamento surge na consciência e depois desaparece. Mas a consciência pura deve permanecer sempre, mesmo que não existam pensamentos. Pois a consciência pura é o sagrado, o atemporal, além da mente.

Antes, o eu era considerado um apanhado de pensamentos na sua mente, junto com sentimentos, emoções e sensações de você mesmo. Isso era sua ideia de eu. A ideia que aprendemos.

Você não é triste nem alegre porque você não existe na mente. Você na mente, este você como você se pensa, é realmente um você inexistente a não ser no pensamento, todo feito da sua riquíssima imaginação. E todos em sua volta criam uma nova verão personalizada de você. Como você pode confiar em algo que não existe? Aí você dá uma gargalhada e vive este momento sendo o momento, apenas o momento. O que quer que aconteça deixa acontecer. Quem é você? O ponto é: você não é uma ideia, porque uma ideia é vista por você. Você vem antes de uma ideia. Quem vem antes de uma ideia? Verifique por si mesmo e verá que aquilo que vem antes de qualquer ideia só pode ser você."

Por Sambodh Naseeb
Related Posts with Thumbnails